82964590_3014696215209316_5693677851832745984_o.jpg

A cada viagem que faço na companhia do meu filho e netos, o primeiro assunto a ser tratado no carro, logo após as orações, é a questão do “pum”. Não sei se acontece com vocês, mas parece até que o ambiente que envolve a viagem, com o ar condicionado ligado e os vidros fechados, propicia a liberação dos gases que são normalmente produzidos pela digestão dos alimentos que ingerimos. Tecnicamente são chamados de “flatulência” e eternizados popularmente como “pum”. 

Engraçado como eles não conseguem entender e aplicar a necessidade de “avisar se for soltar pum”, para que os vidros possam ser abertos. Normalmente o processo de circulação do ar só acontece após o odor tomar conta do veículo. 
– Vovô, você é maluco? Não existe isso de avisar… 
– Claro que existe. Ninguém é obrigado a sentir esse odor…
– Mas não dá tempo! Ninguém consegue segurar um pum… 
– Paizinho, soltei uma bufa…
– Eu sei, os vidros já estão abertos. Não podia ter avisado antes? 
– Ué, eu pensei em avisar… Mas quando falei já tinha saído… 

E assim, a cada viagem, vez ou outra é preciso abrir os vidros às pressas, para que o ar consiga ser respirável novamente. 

Recentemente, em nossa viagem à Itália, conhecemos Verona, cidade tombada como patrimônio mundial da UNESCO e que foi palco da famosa história de amor escrita por William Shakespeare, “Romeu e Julieta”. Depois de um lanche rápido – sem coragem para experimentar o tradicional prato à base de carne de cavalo ou burro -, uma visita à famosa Arena de Verona e nos dirigimos para um dos endereços mais famosos da cidade: a Via Capello. 

Neste endereço está localizada a “Casa de Julieta”. Como sempre acontece, uma multidão estava aglomerada na rua, em frente à entrada do portão principal da residência da famosa personagem da tragédia de amor mais conhecida em todo o mundo. As pessoas sabem que a história é uma ficção e que aquela casa nem é do período em que a história foi escrita, porém, quem é que se preocupa com isso? Segurei firme na mão do meu garoto e nos dirigimos à enorme fila de interessados em ver a sacada da casa e, no jardim, a estátua de Julieta. Segundo a tradição, o turista deve se colocar ao lado da estátua e colocar a mão em seu seio, como forma de ter sorte no amor. 

A fila era interminável. Caminhamos por entre paredes completamente tomadas de bilhetes apaixonados, de recados de amor, deixados pelos amantes que passaram por ali. Depois de muitos minutos, conseguimos avistar o tal jardim. À direita, no alto, a sacada onde Julieta teria sido cortejada por Romeu e, nos fundos do jardim, a estátua da donzela. Confesso que achei estranho a figura de uma mulher sendo tocada como um objeto. Ainda mais, tratando-se de uma jovem que teria morrido aos 13 anos de idade. De toda sorte era, apenas, uma estátua e parecia ser bem mais velha, e o meu garoto fazia questão de tocá-la, assim como todos os demais ali. 

Aos poucos fomos nos aproximando da estátua. Pense em uma multidão em um espaço apertado e sem qualquer organização – com uma fila para chegar e outra para sair – praticamente parada há uns dois metros de distância de Julieta… Ela estava sob um pequeno pedestal, onde o turista se posicionava para colocar a mão em seu peito e ser fotografado. Assim que ele descia, outro subia, enquanto o “sortudo” tentava retornar passando pela multidão.

Pelas minhas contas, existiam pelo menos umas cem pessoas à nossa frente. Foi quando João me disse: 
– Paizinho, acho que vou soltar uma bufa…
– Não João, segura…
– Não consigo paizinho… 

Foi tudo muito rápido, as pessoas se afastaram subitamente e um grande clarão se abriu ao nosso redor. Não sei se foi porque ele “segurou” por muito tempo a flatulência, mas o odor foi quase insuportável e em virtude dele, fomos colocados lá, bem em frente à Julieta. Levei a mão ao nariz, como para dizer “não temos nada com isso” e o meu garoto sorriu, feliz com a mão no peito esquerdo de Julieta. 

Entramos naquele espaço com o pensamento fixo em Shakespeare e saímos com os versos de Renato Russo na cabeça: “Quando tudo nos parece dar errado
acontecem coisas boas, que não teriam acontecido se tudo tivesse dado certo”.

*Eugênio é escritor e funcionário da Funec. 
Ilustração de ‘Edra Cartunista


83110463_2998716603473944_2673532608213680128_o.jpg

*Texto publicado no DIÁRIO DE CARATINGA, em 19/01/2020

Há quem diga que o ano de 2019 não foi lá estas coisas. Existem, inclusive, os que dizem que “já foi tarde, graças a Deus”. Todo ano é a mesma coisa: a gente reclama, reclama, mas, ainda bem que as esperanças se renovam a cada novo ano que se inicia. Aliás, eu nunca entendi bem essa comemoração na virada de um ano para o outro, se ela acontece festejando o bom resultado do ano que termina, ou se comemorando o fim de um resultado ruim. Prefiro pensar que a comemoração acontece para festejar a oportunidade que temos de fazer algo diferente e de tornar o novo ano algo que valha a pena viver. Particularmente aproveito esta época para agradecer e, claro, renovar pedidos. E o que não me faltam são motivos para agradecer: tenho Deus no coração, Família, Amigos, Amor, trabalho e Fé, muita Fé. 

Terminei o ano com um saldo mais que positivo: tentei não me afastar de Deus (sim, Ele nunca se afasta, nós é que nos distanciamos Dele); priorizei as minhas relações familiares; mantive ótimos laços de amizade e de afeto. Em 2019, a minha crença no ser humano deixou de ser irrestrita (apanhei um bocado!) e me senti na obrigação de selecionar um pouco as companhias; participei de programas de preservação do Meio Ambiente, reciclando mais e levando menos sacolas plásticas para casa; escrevi, publiquei, fui homenageado e mantive a crença na força do Livro e da Leitura como instrumentos efetivos e eficazes para melhorar a vida das pessoas. 

Consegui, no ano passado, fazer belas viagens com o meu filho João; aprimorei a técnica de separar os colegas dos amigos e aprendi que, de verdade, estes, podem ser contados utilizando-se, tão somente, os dedos das mãos e iniciei um processo de reeducação alimentar. 

Nas redes sociais, tornei-me adepto da moderação. Fortaleci a certeza de que não devo compartilhar tudo o que recebo, criei coragem para falar com os mais desavisados sobre Fakes News e mantive a boa educação nos relacionamentos virtuais, curtindo somente o que eu realmente gostava e desconhecendo o que não me agradava, consciente de que a página alheia não é lugar para eu aborrecer ninguém e, muito menos, me aborrecer com o que pensa e acredita o outro. 

Entrei no ano de 2020 acreditando cada vez mais no Deus do amor, do perdão e da reconciliação, certo de que Ele, jamais, em nenhuma circunstância, castiga seus filhos; pretendendo estar cada vez mais perto das pessoas que eu amo e acompanhar a chegada da minha neta Ísis; programando novas viagens com o João e a leitura de bons livros. 

Neste novo ano, pretendo diminuir, ainda mais, as discussões sobre Política, até porque os políticos acabam se entendendo e quem perde somos nós que não ganhamos nada com isso. Prometo não me irritar com a turma que acha que tudo “antes” era melhor e com a que acha que “agora” está tudo muito melhor, mesmo com o país mergulhado em uma de suas maiores crises de credibilidade e com a recessão batendo à nossa porta. 

Definitivamente, não discuto mais religião. São discussões que não levam a nada, até porque o problema não é a religião, mas a forma como cada um a vivencia, assim como as motivações que levam as pessoas a procurá-la. 

Quero, neste ano novo, lançar mais três obras literárias, sendo duas no início de abril: SEM DATA DE VALIDADE ¬– CRÔNICAS (volume 6) e PÍTER, A ESTRELINHA (6º volume da série Maria Contando Histórias). Pretendo, também, completar a série de 500 textos publicados no Jornal DIÁRIO DE CARATINGA (este é o de número 492). 

Que o novo ano seja bom. Que os ventos soprem amenos, que a concórdia se instale e sejamos mais felizes. Como será um ano bissexto teremos mais um dia para aproveitar a beleza da Vida!

Para 2020, Paz e Alegria! 

*Eugênio Maria Gomes é escritor e funcionário da Funec. Ilustração do ‘Edra Cartunista